Antigo Quartel de Guerra do Forte dos Andradas reabre para público

forte_dos_andradas copy (600 x 450)O Forte dos Andradas, localizado no Tombo, o local reabriu as visitas para turistas e moradores, que fazem uma viagem no tempo, ao se depararem com um túnel cavado na rocha de aproximadamente 200 m de extensão, no qual se encontram as antigas câmaras de tiro e os elevadores destinados ao transporte da munição.
A visita ao antigo Quartel de Guerra é gratuita e pode ser feita as terças e quintas-feiras e nos finais de semana em dois horários, as 9h30 e 14h30. A subida ao local é feita por meio de caminhada, acompanhada por guias cedidos pelo forte. O passeio não é realizado com chuva.
Os interessados devem realizar o agendamento através do e-mail: rpbrigada@gmail.com. Durante o processo, o quartel envia um termo de responsabilidade que deverá ser preenchido e entregue no dia da visita. Em dias de semana, a fortaleza recebe cerca de 20 visitantes por dia. Nos fins de semana esse número chega a dobrar. Até o último dia 25, cerca de 230 pessoas tinham passado pelo local.

História
O antigo quartel foi construído no alto do morro, dentro de uma rocha e escondido em meio à mata, para proteger o Porto de Santos de possíveis ataques, durante a 2° Guerra Mundial (1939- 1945).
O Forte dos Andradas é a última estrutura defensiva fixa inaugurada no Brasil, que mantinha como suporte para essas operações também o Quartel de Paz, onde funciona até hoje a 1° Brigada de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro.
O Quartel de Guerra foi desativado em 1972. A construção da fortaleza tinha por objetivo formar, juntamente com o Forte de Itaipu, em Praia Grande, um sistema de proteção da entrada da barra de Santos. Projetada em 1934, a obra só teve início em 1938, levando quatro anos para sua conclusão.
Para chegar até o local, o visitante percorre uma trilha estreita e sinuosa, com dois quilômetros de extensão, cercada de fauna e flora da Mata Atlântica. No percurso, há dois paióis desativados e outro acesso que leva a um terceiro. No interior do Quartel de Guerra, há um longo túnel, de 200 metros de extensão, com dois braços no final, de 50 metros cada, formando a letra T.
O ambiente, que servia como base às operações, tem banheiro, cozinha, alojamento, enfermaria, usina com gerador de energia, paiol interno, sala de cálculos balísticos e elevador para a estação de telemetria.
Os quatro canhões, que até hoje estão no alto do morro, eram abastecidos com granadas de 300 quilos e calibre 280 mm. Com alcance máximo de 12 quilômetros, o material bélico foi utilizado pela última vez em 28 de janeiro de 1972, quando 32 granadas foram lançadas em treinamento contra um reboque distante oito quilômetros da costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

completar *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>