Comissão vai intermediar reivindicação de pescadores artesanais

Pesca (600 x 385)Atendendo reivindicação de centenas de pescadores artesanais que atuam na costa marítima da região, uma comissão parlamentar - formada pelos vereadores Sergio Santa Cruz, Luciano Tody, Naldo Perequê, Fernando Martins dos Santos e Carlos Eduardo Vargas - vai buscar intermediar, junto a autoridades do Estado e da União, a flexibilização da ‘Instrução Normativa Interministerial MPA/MMA nº12’. O que diz a regra Em vigor desde 2012, tal instrução foi criada pelos ministérios da Pesca e de Meio Ambiente, a fim de estabelecer critérios e padrões para o ordenamento da pesca praticada com o emprego de redes de emalhe nas águas das regiões Sudeste e Sul. Dentre as regras estabelecidas, está a proibição da pesca de emalhe por embarcações motorizadas até distância de 1 milha náutica (o que corresponde a 1,8 km) da costa. Riscos Segundo pescadores, mais do que dificultar o trabalho daqueles que possuem embarcações de pequeno porte (sobretudo, as mais antigas), o cumprimento dessa regra tem colocado em risco a segurança de muitos trabalhadores. “Além de ficarem expostos a intempéries do tempo, em situação de extrema desvantagem por conta dessa grande distância, o retorno à terra se faz com muitas dificuldades. Os riscos de acidentes, assim como de naufrágios, são grandes”, destaca o vereador Sérgio Santa Cruz, que defende uma maior discussão sobre o tema. Foi dele, inclusive, que partiu a iniciativa de formar uma comissão de vereadores, a fim de levar a questão adiante. O grupo foi definido na sessão legislativa da última terça-feira (10) e já iniciou os trabalhos. “Queremos uma discussão ampla, que envolva a Polícia Ambiental, o Ibama, Secretaria de Pesca e demais intervenientes que atuam nessa campo econômico. Até porque, nos estados da região Sul, assim como no Espírito Santo, essa legislação foi revisada, justamente após uma mobilização. Portanto, cabe a nós fazermos o mesmo”. Prazo A comissão terá 120 dias para realizar seus trabalhos. Ao final, um relatório será apresentado e analisado pelo plenário da Casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

completar *