Estamos distantes ainda do Brasil que queremos

O Estado brasileiro, ao longo dos anos, foi aparelhado para atender aos interesses da classe política, e o cidadão, que paga as contas, ficou em segundo plano. Ao mesmo tempo que cresceu em gastos, na arrecadação de impostos e na interferência na vida das pessoas, o Estado apresentou um desempenho medíocre na prestação dos serviços essenciais. Nesse quadro disfuncional, a eleição do próximo presidente da República é de extrema importância para todos. Infelizmente, o Partido dos Trabalhadores, que deveria ter seu registro no mínimo questionado, conseguiu novamente pautar o debate eleitoral. Utilizou a estratégia de sempre: dividir a sociedade brasileira para se fortalecer. Assim, mesmo em um cenário adverso, obteve resultados importantes: manteve a maior bancada na Câmara, com 56 deputados, apresentou a menor queda na representatividade entre os seis maiores partidos e levou ao segundo turno um candidato que, há dois anos, como prefeito de São Paulo, não conseguiu esse feito nas eleições municipais. O PT se prepara, assim, para ser a principal força opositora ao provável governo de Jair Bolsonaro. A grande maioria dos eleitores caiu na armadilha petista de polarizar a disputa eleitoral antes do tempo e discutir apenas o “Ele não” X “PT não”. O resultado não poderia ser bom. Caminhamos para ter um governo cujos planos e capacidade de execução desconhecemos, mas com a sensação equivocada de que valeu a pena, pois o “PT foi derrotado”. Nossas elites, com raras exceções, junto com a mídia tradicional, mais uma vez falharam. Não assumiram qualquer protagonismo na defesa de um projeto de longo prazo para o país. Prevaleceu a postura imediatista, omissa e muitas vezes oportunista. Essa conduta explica em boa parte a situação em que nos encontramos hoje, apesar de todo o potencial que temos como nação. O roteiro para a construção de um país próspero e sustentável, tendo como exemplo nações desenvolvidas, deve ser outro. Obviamente, ninguém que tenha um mínimo de informação e coerência pode aceitar a existência de um partido como o PT. Uma organização que saqueou os cofres públicos, com esquemas gigantescos de corrupção, que aparelhou o Estado para sua perpetuação no poder e que, com medidas econômicas totalmente equivocadas, causou a pior recessão da nossa história. E ainda, apesar de inúmeros e relevantes membros condenados pela Justiça, se recusa a admitir os seus erros, deixando claro que estaria disposta a fazer tudo novamente. Entretanto, a saída do PT do poder de forma consistente só acontecerá com a nossa evolução como sociedade. Para isso, é fundamental o surgimento de novas lideranças que pensem nos seus filhos e netos morando no Brasil, que assumam responsabilidades e desejem deixar um legado para o país. Neste processo eleitoral, fomos, mais uma vez, guiados pelo medo em busca de um salvador da pátria. Aprendemos pouco com nossos erros e, assim, ficamos mais distantes do Brasil que queremos. Domingo voto mais uma vez contra o PT, mas, como das vezes anteriores, não é em um projeto em que acredito e que, portanto, defenda ou apoie. Continuarei trabalhando para ajudar na construção de um país admirado, de uma sociedade sem divisões, com oportunidades para todos e onde possamos depender menos da política. Foi para isso que entrei na política.  

João Amoedo (publicado originalmente na Folha de São Paulo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

completar *