“Guarujá perdeu sete meses por insistir em licitação fracassada”

Base Aérea_Aeroporto (600 x 450)A afirmação é do secretário Nacional da Aviação Civil, Dario Rais Lopes, ao afirmar que a Baixada Santista estará rotas de voos comerciais a partir de 2019. Para isso, porém, cobra agilidade da Prefeitura de Guarujá na definição da empresa que vai explorar o futuro aeroporto metropolitano na Cidade. A licitação para escolher o consórcio que administrará o empreendimento foi cancelada, porque o único grupo interessado foi desclassificado do certame. Apesar do processo licitatório ainda estar estagnado, Lopes sustenta que o equipamento regional continua nos planos de expansão da malha aérea brasileira. Aporte Ele revela ainda possibilidade de a SAC destinar até R$ 20 milhões para a estruturação do futuro aeroporto de Guarujá. A verba faz parte do Programa de Aviação Regional, do Governo Federal, e foi temporariamente suspensa com o adiamento da concorrência. Atraso A transformação da Base Aérea de Santos, que fica em Vicente de Carvalho, em um aeroporto regional, ganhou novo capítulo no mês passado. Em 28 de junho, a Prefeitura desclassificou o Consórcio Guarujá Airport, formado pelas empresas MPE Engenharia, Terracom e WhiteLake Consortium, esta última com sede nos Emirados Árabes Unidos. O motivo foi a falta de uma carta de fiança da empresa do Oriente Médio, documento que daria garantia financeira para a transação internacional, conforme exigido no edital de concessão do aeroporto. O titular da pasta ligada ao Ministério dos Transportes sustenta que a Administração “perdeu”, no mínimo, sete meses por insistir no resultado de um processo com graves erros em sua origem. Isso porque a atual gestão tentou revalidar a concorrência pública, cancelada em um dos últimos atos da ex-prefeita Maria Antonieta de Brito. Naquela ocasião, a prefeitura considerou a licitação “fracassada”, devido à falta de documentação da empresa dos Emirados Árabes. O consórcio recorreu da decisão e teve o pedido acatado pelo prefeito Válter Suman (PSB) em fevereiro. A ideia era assinar a exploração do espaço no dia 30 de junho, o que não aconteceu. (Com informações de A Tribuna)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

completar *