Medidas emergenciais na  Saúde já começam a vigorar

samu-garagem-600-x-496Redução de 1h30 para 20 minutos no tempo de atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), obtenção de R$ 1 milhão em recursos do Governo do Estado e contratação emergencial de médicos para suprir o déficit de 80 plantões semanais nas unidades de pronto-atendimento de Guarujá. Essas são algumas medidas já em prática desde que a Situação Excepcional de Emergência na Saúde Pública foi decretada em Guarujá, nesta quarta-feira.
De acordo com o secretário de Saúde de Guarujá, Renato Pastorello, o Município tinha até o início da semana apenas 1,5 viatura do SAMU, levando-se em conta que uma estava avariada. Agora já são cinco: a avariada foi consertada e outras três que faziam transporte de pacientes foram adaptadas para fazer o serviço de urgência e emergência. Com isso, o tempo de espera já caiu de 1h30 para 20 minutos.
Além disso, está em trâmite um segundo contrato com o Instituto Corpore, responsável por gerenciar o atendimento na Atenção Básica, para contratar emergencialmente médicos que vão suprir o déficit nos plantões.
Outra medida que deve ser viabilizada nos próximos dias é a obtenção de R$ 1 milhão em recursos do Governo do Estado, provenientes da Operação Verão. “Acredito que até a primeira quinzena de janeiro essas três ações emergenciais estejam em vigor”.
Além disso, a Situação Excepcional de Emergência tem como uma de suas vertentes mobilizar todas as secretarias municipais. O remanejamento de recursos de outras pastas para a de Saúde, previsto no decreto publicado nesta quarta-feira (4), é uma das medidas previstas para viabilizar as ações emergenciais.
A Secretaria Municipal de Saúde é coordenadora direta dos mecanismos de gestão da Situação de Emergência, mas as demais pastas são corresponsáveis pelo imediato enfrentamento da situação de emergência, “provendo todas as ações que forem demandadas em regime de máxima prioridade”, informa o decreto.
O secretário alerta, entretanto, que a situação de emergência não representa epidemia, e sim a constatação de uma situação grave no atendimento de urgência e emergência, que demanda ações enérgicas para ser solucionada. O decreto deve vigorar por 180 dias em todas as unidades de pronto-atendimento da Cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

completar *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>