O comércio vem perdendo vendas por falta de vagas de estacionamento

Zona Azul (600 x 361)Após pelo menos três décadas de reivindicações dos comerciantes e sete anos da criação de uma lei instituindo a chamada Zona Azul em Guarujá e Vicente de Carvalho, o sistema de estacionamento regulamentado continua só no papel.
A lei que cria a Zona Azul data de dezembro de 2010, quando foi reformulada pela Prefeitura. Originalmente ela foi aprovada pela Câmara e sancionada em 2008. Entretanto, a Câmara de Dirigentes Lojistas ( CDL) de Guarujá e Vicente de Carvalho já faz gestões neste sentido desde 1985.
O edital do Estacionamento Rotativo chegou a ser publicado inicialmente em novembro de 2011, mas sofreu alterações a pedido do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Diante disso, a licitação foi suspensa e reiniciada no final de 2014, mas o processo voltou a sofrer questionamentos do TCE, que atentou para existência de cláusulas em afronta à Lei de Licitações (8.666/93).
Outro edital foi publicado em 2016, já no final da gestão da prefeita Maria Antonieta de Brito, com as alterações apontadas pelo TCE-SP, mas o certame não teve prosseguimento.

Projeto
O projeto previa pelo menos três mil vagas na cidade, divididas em cinco áreas comerciais e turísticas: Vicente de Carvalho (32 ruas); Pitangueiras (23 vias); Enseada (34 vias); Astúrias (6) e Tombo (2) e a geração de 50 empregos diretos.
A empresa que ganhasse a licitação deveria trabalhar com sistema de cartão, parquímetro, telefone celular e internet para controlar o tempo de estacionamento. O valor previsto na ocasião para a tarifa seria o mesmo estabelecido no Decreto 9.438/11, que regulamentou o serviço: R$ 2,00 por cada uma hora.

Orlando Junior (527 x 600)Opiniões
Para o presidente da CDL, Orlando João de Souza Júnior (foto), a Zona Azul é um projeto importantíssimo para o comércio de Vicente de Carvalho e por essa relevância, a CDL, Câmara de Diretores Lojistas de Guarujá, vem há muito tempo lutando e reivindicando junto ao poder público a sua implantação. “Participamos das duas audiências públicas que aconteceram com esse objetivo, sendo inclusive uma delas realizada na nossa entidade. Continuamos acompanhando todo o processo de perto. Fizemos ações junto à Diretoria de Trânsito e junto ao prefeito que nos informou que o processo licitatório seria retomado e continuamos aguardando que ela seja de fato implantada, pois com o aumento da frota de automóveis na cidade, o comércio vem sendo prejudicado e perdendo vendas por conta da falta de vagas de estacionamento para os clientes”, explica Orlando.
O comerciante Marcelo Oliveira, proprietário de duas lojas na Avenida Thiago Ferreira, reforça a opinião do presidente da entidade. “A qualidade dos produtos oferecidos pelo nosso comércio é igual a dos shoppings de Santos, mas muitos consumidores de Guarujá preferem os transtornos de atravessar a balsa e pagar mais caro pelos mesmos produtos só pelo conforto de saberem que encontrarão vagas para estacionar”, afirma Oliveira que também cobra da prefeitura mais agilidade na implantação do estacionamento regulamentado e acrescenta a importância do corredor comercial como importante polo gerador de empregos na cidade. “Em tempos de desemprego, a administração também deveria levar em conta o fator social, menos movimento, menos empregos”, finaliza.
Outro comerciante tradicional da avenida, que não quer se identificar explica que é da terceira geração à frente da loja da família. “Infelizmente não acredito mais em promessas. Essa história de Zona Azul eu já escuto desde a época do ex-prefeito Maurici, quando ainda era fácil achar lugar para parar o carro perto da avenida. Depois disso, entra prefeito, sai prefeito e nada. Se uma obra tão simples como essa que só precisa de placas de orientação e sinalização de solo, não sai do papel imagine o tal do túnel ou o aeroporto”, desabafa.
Dona Letícia, professora aposentada, mora no Jardim Helena Maria e costuma fazer compras no Distrito. “Tem bastante variedade e os preços são bons, mas hoje mesmo, vim de ônibus. Meu marido tem carro, mas prefere atravessar para Santos quando vamos fazer compras juntos. Ele diz que só acha vaga muito longe das lojas e no shopping é só pegar o elevador”, argumenta.
Pedro Nunes Olivença, também é aposentado e tem um pequeno negócio de doces e salgadinhos na garagem de sua casa na Vila Zilda e toda semana vem fazer compras para renovar o estoque. “Venho aqui porque os preços são bons, mas para botar as compras no carro é um sufoco. Tenho que estacionar em lugar proibido e fazer as compras correndo”, reclama.
Georges Dutra é ambulante e também faz suas compras no comércio da Avenida Thiago Ferreira com certa frequência. “Gosto de chegar logo cedo para não perder o dia e mesmo de manhã já não acho lugar para estacionar na avenida. O que eu vejo é que muita gente que trabalha em Santos e deixa o carro parado o dia inteiro na avenida e nas ruas transversais. Sei que não tem como proibir isso, mas se tivesse uma Zona Azul, pelo menos essa situação não ia acontecer mais.”

Prefeitura
Questionada sobre o assunto pela nossa reportagem, a Secretaria de Defesa e Convivência Social de Guarujá, em nota informou que a previsão é (se não houver intercorrências administrativas) que, em aproximadamente 30 dias, a Administração Municipal deve dar início ao processo de abertura de licitação para viabilização do serviço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

completar *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>