“Segurados não precisam se preocupar com a gestão da previdência”

Célia_Previdência (600 x 450)Nossa reportagem procurou a diretora presidente da Guarujá Previdência, Célia Rodrigues Ribeiro, para falar sobre o assunto. Para ela, que ocupa o cargo desde 2013, a situação da autarquia é bastante confortável e os 5.700 segurados não precisam se preocupar com a gestão. “Hoje nós temos mais de R$ 330 milhões em caixa, muito bem geridos, cumprimos as metas de retorno dos investimentos, temos investimentos bastante adequados e conforme as regras determinadas pelo Banco Central . O cálculo atuarial é um demonstrativo obrigatório feito anualmente e passa pelo Conselho de Administração do Município, que na sua maioria é formado por servidores de carreira e é assinado em conjunto pelo prefeito, o presidente do Conselho, o atuário responsável e a presidente da autarquia. É um documento público disponível para consulta”. “Não existe o que as pessoas equivocadamente chamam de rombo. Rombo seria se a gente tivesse feito má gestão, uma gestão temerária, se tivéssemos perdido dinheiro. O que acontece é que o déficit foi apresentado em virtude principalmente da segregação de massas dos servidores mais antigos, admitidos até o ano 2000, grande parte das aposentadorias de maior valor estão nessa massa que vai ficar por conta do governo, que a gente chama de plano financeiro e a massa mais jovem ficou em outro plano para dar segurança ao controle de custeio, justamente para dar segurança que vamos cumprir com todos os compromissos”. “Hoje este déficit está por volta de R$ 88 milhões, e o que acontece é que se você não for adequando o plano de custeio, a tendência dele é aumentar, mas isso é questão de cálculo numérico. Se temos esse déficit num plano, temos superávit no outro, mas a transposição de recursos de um plano para outro depende de lei municipal. Com isso quero dizer que a solução está no nosso próprio caixa, além disso a atual administração municipal, como a anterior não é insensível ao problema e o município está se adequando. Guarujá não está em situação de insolvência, está com suas certidões em dia, tem feito os repasses em ordem. Poucos municípios estão com os repasses em dia. “O que está acontecendo, na minha visão, é um uso político de informações técnicas”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

completar *