Suman afirma que a Saúde teve grandes avanços

Suman_03_corte (565 x 600)Em pouco mais de sete meses, o prefeito de Guarujá, Válter Suman conseguiu 65% de aprovação. O dado foi levantado numa pesquisa realizada este mês, pelo Instituto de Pesquisas A Tribuna (IPAT) que ouviu aleatoriamente 500 pessoas de 20 bairros da Cidade, com nível de confiança estimado em 95% e margem de erro estatístico de 4,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Dentre os principais resultados obtidos, o IPAT apurou que, apesar da alta aprovação, 50% dos ouvidos acreditam que a Cidade melhorou no primeiro semestre deste ano. E 45% acham que o Município continua na mesma situação.
Quando solicitado para que os entrevistados qualificassem o trabalho do prefeito, 7,3% avaliaram como ótima a atual administração, enquanto 38% opinaram como bom, 34% como regular, 8,9% como ruim e 6,4% como péssimo. Os 5,4% restantes não souberam responder.
“Os entrevistados assinalaram que a área que mais teve avanço nos seis primeiros meses de gestão foi limpeza pública (37,2%) e, como ponto fraco, 71,6% dos entrevistados apontaram a Saúde como maior problema, seguido por segurança (57,4%)”, afirma o jornal em matéria publicada nesta semana.
Ao avaliar os resultados, o prefeito Válter Suman reconheceu as dificuldades na área da Saúde. “De todos os prefeitos, o único médico sou eu. Imagine o volume da cobrança. Mas não vou conseguir 100% de aprovação na Saúde. O custeio é muito aquém do desejado”, justificou.
“Hoje dois terços da população dependem do Sistema Único de Saúde (SUS). Tivemos grandes avanços, basta imaginar que as Unidades de Saúde da Família estavam em estado de abandono. E conseguimos junto ao Ministério da Saúde R$ 1,7 milhão por mês para Guarujá. Parte desse recurso será para ampliação de leitos no Hospital Santo Amaro”, finalizou, lembrando que o dinheiro deve chegar a partir do fim de outubro ou em novembro.

Secretário contesta reprovação na Saúde

Secretário da Saúde2 (450 x 600)Há pouco mais de dois meses à frente da pasta, da qual era secretário adjunto, Everton Lopes Rodrigues contesta a afirmação do jornal A Tribuna que a Saúde no Município vai mal.
“Na pesquisa foram feitas duas perguntas aos entrevistados, a primeira era sobre qual era a sua maior preocupação. Se perguntarmos a qualquer pessoa, não só em Guarujá, mas no Brasil, a resposta vai ser sempre Saúde, seguida pelo item Segurança, como aconteceu aqui, mas quando se pergunta qual foi a área que teve o maior avanço, nos seis primeiros meses do governo Válter Suman, a Saúde aparece em destaque atrás apenas de serviços de zeladoria”, afirma.
“Na verdade, não se faz Saúde Pública sem financiamento. Com a crise que país está vivendo, por mais que o governo municipal coleque recursos ainda falta dinheiro federal e do estado para o custeio e os investimentos na Saúde. Hoje a secretaria recebe R$ 400 mil por ano para compra de medicamentos, mas este montante não chega nem a 20% do que nós gastamos, entre R$ 700 a R$ 800 mil por mês. No caso de Guarujá, o investimento na área é de 17% a 18% do orçamento, muito mais alto do que o gasto mínimo que a lei preconiza que é de 15%, e este ano ainda estamos trabalhando com o orçamento da gestão anterior. Estou solicitando à secretaria de Planejamento o aumento desse percentual para minimizar os efeitos das questões financeiras que impactam na Saúde, mas isso depende também da previsão de arrecadação, mesmo assim temos avançado bastante.
No caso dos médicos, por ser um profissional de alta rotatividade no mercado, temos um grande problema de fixação desses profissionais na Cidade, mas hoje todos os prontos-socorros estão com médicos. Aos poucos estamos conseguindo fazer reformas, mudamos a Farmácia do Povo para o antigo local onde funcionava e com isso fazemos uma economia de R$ 8 mil mês, conseguimos terminar uma obra que estava parada, a reforma do Hospital Dia Willian Rocha que está sendo equipado e até o final do ano vai ser entregue. Reformamos e climatizamos o PAM, reforçamos a iluminação no entorno da UPA Enseada que era muito escuro. Estamos reformando a unidade do Morrinhos e a da Vila Alice já foi reformada. O programa Docinhos vai para uma casa só deles, ampliando o atendimento e estamos planejando, possivelmente com parcerias, montar uma cozinha industrial onde se as pessoas com diabetes possam treinar receitas e estamos discutindo toda linha de atendimento de hipertensos e diabéticos no município.”
“Temos como prioridade qualificar e valorizar os servidores da Saúde e para isso estamos realizando várias oficinas e encontros para avaliar onde podemos melhorar em humanização e acolhimento, área que é uma das maiores reclamações na Ouvidoria.”
“Para finalizar, é importante que se conscientize a população da sua corresponsabilidade no tratamento. Não se faz nenhum processo sem a colaboração do paciente. Ele é também é responsável na prevenção, tomando as medicações, vacinas e participando dos grupos. Hoje a meta do Dr. Valter Suman é melhorar a promoção e a prevenção, mas a gente só faz isso com a presença do paciente. Peço que a comunidade assuma os autocuidados com a sua própria saúde para podermos avançar ainda mais na qualidade da Saúde em nossa cidade.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

completar *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>