Vereadores criam comissão para salvar APAE

Vereadores e representantes da OAB participaram, na noite da última terça-feira (7), de uma sessão para discutir o possível fechamento da APAE no município. Pais de alunos e funcionários estiveram no local para protestar.

A APAE de Guarujá foi criada há 20 anos, mas, desde 2008, enfrenta dificuldades financeiras. Hoje, a dívida da instituição é de mais de R$ 1 milhão. A Prefeitura de Guarujá fazia repasses todos os meses à instituição. A verba era destinada, por conta de uma decisão judicial, porém deixou de ser enviada após uma decisão do Ministério Público.

A diretora da APAE em Guarujá, Mônica Aparecida Campos Lima, afirma que não consegue manter a instituição sem o repasse do governo. “Sem este auxílio é impossível. Como vou suprir uma folha de pagamento? Deveriam ter olhado com mais carinho para o que já fizemos e ainda podemos fazer”, falou.

Por conta da situação da APAE de Guarujá, foi criada uma comissão formada por cinco vereadores para discutir uma solução para a instituição.

 

Proposta

 

Durante a sua fala na tribuna da Casa, o presidente da OAB Subseção Guarujá, Dr. Paulo Roberto Fiorotto Rodrigues Junior pediu que cada vereador doasse a quantia de R$ 1.500,00 para saldar a primeira parcela de compromissos pendentes, proposta que foi rechaçada veementemente pelo presidente do Legislativo, Ronald Nicolaci (DEM) que alegou que esta não seria a melhor maneira dos vereadores solucionarem o problema, cabendo a decisão particular de cada um fazer doações em dinheiro ou não, mas que todos se empenhariam em resolver os problemas dentro das suas atribuições legislativas como tem feito com outras entidades da cidade, se propondo inclusive a dividir com a prefeitura a responsabilidade pela continuidade do funcionamento da instituição, desde que seja votada uma lei para tal. “A APAE é mais que um CNPJ. É uma instituição que merece todo o respeito e empenho desta Casa pelo relevante trabalho que vem prestando ao longo dos anos e sempre contará com o apoio da Câmara”, afirmou Nicolaci.